Terça, 20 de Outubro de 2020
73982441586
Polícia Crime

Suspeito de ter estuprado e assassinado Ilheense por asfixia é preso no Rio

Prisão ocorreu quando o acusado prestava depoimento em sede policial

05/08/2020 18h21 Atualizada há 2 meses
139
Por: Rick Fontes
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

Assassinada na última quinta feira na casa dos patrões, na Freguesia, na Zona Oeste do Rio, a doméstica e cozinheira Gilmara dos Santos de Almeida da Silva, de 45 anos, nascida em Ilhéus, no sul da Bahia, também teria sido vítima de estupro. Familiares da vítima contaram que no laudo médico do Hospital Federal Cardoso Fontes, havia a constatação de espancamento, asfixia mecânica e violência sexual.

O suspeito de cometer o crime, o cuidador de idosos Cláudio André Silva António, que trabalhava junto com Gilmara, foi preso na noite de segunda-feira, enquanto prestava depoimento em sede policial.

A nova informação chocou os familiares, que aguardavam novidades do caso, na sede da DH, na Barra da Tijuca. As filhas da doméstica chegaram na delegacia com os documentos do boletim médico. “A gente veio aqui cobrar explicações, saber sobre a prisão, o porquê dele ter feito isso. E fomos surpreendidos com essa notícia. Estamos em choque”, falou a irmã da vítima, Maria dos Santos de Almeida.

O documento afirma que “paciente estava sem roupa íntima e calça comprida rasgada”, além de “presença de secreção esbranquiçada na região genital”.

Segundo a delegada Bianca Gebara, foram encontrados vestígios de sêmen no corpo da vítima e a Polícia Civil irá realizar exames de confronto genético entre o material e o DNA do suspeito.

Suspeito ainda ajudou no socorro

Os familiares de Gilmara contaram que o cuidador de idosos, preso temporariamente suspeito de cometer o crime, ajudou no socorro. Cláudio André foi junto com os filhos do casal de idosos, patrões da doméstica, até o Hospital Federal Cardoso Fontes.

“Quando chegamos no hospital ele estava lá, não falou com a gente, mas agia friamente e com naturalidade, mexendo no celular”, contou um sobrinho da vítima.

Os parentes de Gilmara ainda disseram que os filhos dos patrões e o cuidador de idosos afirmaram ter ligado para os Bombeiros para socorrer a mulher, mas que pela demora no atendimento resolveram levá-la a uma unidade de saúde por conta própria. No entanto, ainda segundo os familiares, o Corpo de Bombeiros os informou que não houve nenhum acionamento para este caso.

Sem entrar em detalhes, a delegada Bianca Gebara ainda informou que esse comportamento no momento do socorro demonstram a frieza do suspeito.

Na delegacia, Cláudio prestou depoimento, mas a delegada disse que ainda não há informações concretas sobre o que pode ter motivado o crime. A Polícia Civil também não descartou a possibilidade de ter um segundo suspeito.

Familiares relatam rixa entre os funcionários 

Irmãos e filhas de Gilmara disseram que os desentendimentos entre a doméstica e seu colega de trabalho eram frequentes. Claudio André teria sido contratado para cuidar do casal de idosos, há cerca de três meses, e desde que chegou para trabalhar na residência teve pequenos problemas de convivência com Gilmara.

“Minha mãe relatava desavenças com ele em relação a trabalho, que ele tentava atrapalhar o trabalho dela, e também falava sobre a maneira como ele tratava a idosa, que ela também não aprovava. Mas minha mãe nunca falou nada sobre ameaças, agressões, nunca chegou nesse ponto. Desavenças de trabalho mesmo, mas nada que pudesse chegar a morte”, falou Milena da Silva, 20, filha caçula de Gilmara.

Milena esclarece que sua mãe tinha um ótimo relacionamento com o casal de idosos, com quem trabalhava há mais de um ano, até a chegada de Claudio André. A operadora de caixa afirmou acreditar que o cuidador teria recebido ajuda de outra pessoa durante o crime. “Queremos saber se tem mais alguém envolvido nisso, porque é o que a gente da família desconfia. Estou, particularmente, afirmando que tem sim mas gente envolvida, mas não quero citar nomes”, declarou.

As contradições entre a versão contada pelos filhos do casal de idosos e de Claudio André, e o constatado pelos médicos também chamaram atenção da família da doméstica.

“Ligaram para o meu pai só dizendo que minha mãe passou mal. Mas assim que a equipe médica foi atender minha mãe, viram que ela estava toda machucada, com sinais de agressão e estrangulamento, com sangramentos, hematomas no braço, e eu posso confirmar isso porque eu que reconheci o corpo dela. A médica na hora pediu também para segurarem no hospital as pessoas que socorreram ela”, narrou.

“Minha mãe morreu dentro daquela casa e em momento algum vieram tentar entender o que houve, nem nos consolar. Em todos momentos só ficaram do lado do Claudio. Se eles não estão envolvidos, eles não deveriam estar do lado dele e sim do nosso lado, porque minha mãe foi assassinada dentro da casa da mãe deles”, completou.

Irmã conversou com vítima momentos antes do crime 

Uma das últimas pessoas da família a falar com Gilmara, foi sua irmã Maria dos Santos. Cerca de uma hora antes de receber a notícia do falecimento, Gilmara e Maria conversaram por mais de 30 minutos ao telefone. Maria afirma que a irmã não relatou nenhum tipo de problema no trabalho naquele dia.

“Ela estava feliz. Estava me dizendo que tinha chegado os armários que ela tinha comprado para a casa que ela tava morando. Ela estava vivendo o sonho da casa própria. Morou a vida quase toda de aluguel e há um ano estava morando no apartamento que financiou, na Gardênia. Não falou nada que teve desentendimento com ele no dia, estava tudo bem”, contou Maria.

As irmãs se falaram por volta das 11h e o hospital constatou o óbito de Gilmara às 12h27. A doméstica era a quinta filha numa família de 14 irmãos. Baiana da cidade de Ilhéus, ela estava há 27 anos no Rio de Janeiro.

“Tem sido muito difícil para a gente, nossa família está destruída, dilacerada. Estamos sem dormir, sem trabalhar. Estamos empenhados em correr atrás de justiça. Minha irmã era uma pessoa muito boa, não merecia isso de jeito nenhum”, finalizou o irmão da vítima, o pintor Gilmar Santos. As informações são do

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ilhéus - BA
Atualizado às 20h01 - Fonte: Climatempo
22°
Muitas nuvens

Mín. 21° Máx. 27°

22° Sensação
8.9 km/h Vento
81.8% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (21/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 29°

Sol com algumas nuvens
Quinta (22/10)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 28°

Sol e Chuva